sábado, 28 de dezembro de 2013

Short fic!!!!


Olá, meninas!!!
Como foi o Natal de vocês? Muitos presentes?
Pra quem acompanha os blogs da Polly, vocês já devem saber que ela escreveu uma short fic de Natal. Pra quem não acompanha, eu vim aqui deixar o link pra vocês lerem, porque tá uma coisa linda <3
Sobre o cap 50: estamos escrevendo.
Espero que gostem da short fic. E caso a gente não apareça ainda esse ano, desejamos a vocês um ótimo ano novo com saúde, paz, amor e muitas fics <3


Abraços,
Duda

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Chapter 49

"Eu não quero que o mundo me veja porque eu não acho que eles entenderiam"

Joe: Eu levo vocês, a cadeirinha do Frankie tá no meu carro... (concordei. Não estava mesmo a fim de ir sozinha. Me despedi de Nick e Selena que disseram que iriam mais tarde. E eu até entendia eles, com tanta coisa acontecendo não estavam encontrando tempo nem pra ficarem sozinhos. Assim que chegamos ao carro, Joe me ajudou a prender Maddie na cadeira e fomos nos sentar no banco da frente. Ela foi tagarelando o caminho todo, acho que pela bendita Coca-Cola.) Vou indo, tenho que fazer meus deveres também. (ele sorriu de lado, parando o carro na frente da minha casa, quando perguntei – por educação – se ele queria ficar)
Demi: Ah, tudo bem, então. Será que te vejo amanhã? (ele deu de ombros ainda sorrindo)
Joe: A gente vê. (assenti, abri a porta do carro para sair e ele falou de novo) Se cuidem.
Demi: Sempre. (abri a porta de trás e peguei Maddie no colo)
Joe: Tchau, pequena.
Maddie: Tchau, JJ. (ela sorriu e acenou. Fechei a porta do carro, equilibrando Mad num braço e nossas bolsas no outro, abri a porta de casa e entrei, logo colocando a pequena no chão) Tem doce, Demi? (ela me perguntou enquanto seguíamos escada acima.)
Demi: Você não acha que tá elétrica demais para ficar comendo açúcar? (ela respondeu um "não" rapidamente, me fazendo rir) Mais tarde eu faço janta e sobremesa, beleza? (larguei as bolsas sobre a cama e virei para ela, que estava emburrada, o que me fez rir mais) Que carinha de brava é essa, hein? (pude ver ela se esforçando para não sorrir, corri até ela, a peguei e joguei sobre o meu ombro direito) Quero ver ficar emburradinha agora. (falei quando ela começou a gargalhar)
Maddie: Solta, Demi! (gritou rindo, fiquei girando com ela até que eu não tivesse mais fôlego também. Apoiei ela num braço e ela me abraçou ainda rindo um pouco) Bobona.
Demi: Amor da minha vida. (sorri e beijei sua testa) Você tem alguma coisa da escolinha para fazer?
Maddie: Não sei. (deu de ombros)
Demi: E a responsabilidade, hein? (me fingi de brava e Maddie me olhou séria) To brincando. (mordi sua bochecha e ela sorriu.) Eu te ajudo a fazer se tiver. (deixei Maddie descer, abri nossas mochilas, tirando meu caderno e um lápis da minha e o caderno que Maddie indicou da dela. Nos deitamos de bruços no grande tapete do quarto.)
Maddie: Ah, Demi... (a encarei) Esqueci de mostrar isso, ó. (ela abriu seu caderno na página onde estava a folha de sulfite colada, e me entregou) É pra uma peça que a gente vai fazer, a mamãe tem que assinar. (percebi que ela me encarava com olhinhos pidões enquanto eu passava os olhos pela página)
Demi: Eu posso assinar pra você, você quer fazer? (ela assentiu sorrindo, peguei uma caneta e assinei, permitindo que ela participasse da tal peça)
Demi off.

Zac deixou Sterling esperando na linha do telefone quando ouviu alguém bater na porta. Andou até ela ainda rindo do que Sterling havia dito ao telefone. Abriu a porta sem olhar pelo olho mágico. Quando seu olhar subiu até o rosto da figura a sua frente o sorriso sumiu. Encarou a garota que conhecia tão bem e há tanto tempo.

Zac: A que devo sua ilustre presença na minha casa? (ela o ignorou, empurrou-o de lado e entrou, carregando a mala que trazia consigo.)
Lily: Se é que você pode chamar isso aqui de casa. (respondeu olhando em volta)
Zac: Digamos que esse tempo que você ficou fora não tenha melhorado sua educação, Lily Jane.
Lily: Cale a boca, Zachary.
Zac: Por que apareceu aqui, afinal? (fechou a porta e se jogou no sofá, encarando Lily em pé à sua frente)
Lily: Preciso de um lugar para ficar e preciso reencontrar a Vanessa. A casa que a gente morava está vazia e eu sei que você sabe onde ela e a nossa mãe estão morando.
Zac: Então você quer ver sua família novamente, depois de ter passado anos sumida. Que coisa, Lily. (ela revirou os olhos) Por quê?
Lily: Logan. (respondeu baixo e Zac gargalhou histericamente. Ela respirou fundo enquanto ele tomava fôlego de novo. Ainda se abanando com as mãos depois de rir, Zac falou)
Zac: Você tem noção do que você quer fazer? Você sabe muito bem que sua irmã não vai te deixar encostar um dedo nele.
Lily: Como se você se importasse com isso. Só preciso dormir aqui por alguns dias e que você me mostre a casa delas. Só isso. Nunca te pedi favor nenhum, Zachary.
Zac: Tudo bem. Só que a geladeira tá vazia, eu não como em casa e o único lugar que você tem para dormir é esse sofá aqui. (se levantou e desligou a TV.)

Andou até Lily, selou rapidamente seus lábios nos dela, sem tocar qualquer outra parte do seu corpo. Quando ela levantou as mãos para os ombros dele, ele se afastou bruscamente. Deu meia volta, desligou a TV com um puxão no fio e foi para o seu quarto, sem dizer mais nada. Lily respirou fundo, fechou os olhos e foi trocar de roupa. Deitou de lado no sofá, os cabelos presos num rabo de cavalo caindo sobre o encosto de braço em direção ao chão. Tinha se enrolado num cobertor que achou na dispensa.
Ainda não sabia direito o que iria fazer. Por enquanto, pensaria num jeito de fazer Vanessa baixar a guarda e deixar ela se aproximar de Logan, sabia que não seria nada fácil. Ela ainda não tinha certeza se deixaria Zac se envolver nisso ou não. Não sabia se queria ele próximo do filho.
Dormiu pensando em como aquele lugar podia feder tanto a homem, cerveja e cigarro. Também se perguntou se Zac havia limpado aquela sala no último milênio.

Zac: Garota, é meio dia. (chegou em casa batendo a porta. Lily ainda dormia e se assustou com o barulho) Veio aqui pra dormir o dia inteiro?
Lily: Cale a boca.
Zac: Parece que você ainda ama me mandar calar a boca. (se dirigiu à cozinha, Lily alcançou uma latinha de cerveja vazia que estava no chão e lançou em sua direção, acertando o meio das costas dele) Você tá louca, garota?
Lily: E você ainda ama me chamar de garota. Estamos quites. (levantou do sofá, deu uma ajeitada no cabelo e viu Zac passando na sua frente, com uma carteira na mão em direção à porta da saída.)
Zac: Vim só buscar minha carteira, não se anime. (disse sarcástico, ajeitando algo sobre a mesa da televisão)

Lily o ignorou, foi até a cozinha e abriu a geladeira. Não havia nada além de um resto estragado de sanduíche, dois ovos e uma lata de energético pela metade. Ela não ia comer aquilo nem que lhe pagassem.

Lily: Zachary?

Chamou para saber se ele não tinha saído ainda. Se virou de costas e, antes de ouvir a porta bater, viu 10 dólares e algumas moedas serem jogadas no chão, ao lado da soleira da porta da cozinha. Riu sozinha, sabendo que Zac nunca iria mudar. Ajuntou o dinheiro e junto dele havia um papel com um endereço escrito nele. Lily sorriu sozinha, correu até a sala e abriu a mala, jogando as roupas sobre o sofá e vestindo um short e camiseta qualquer. Enfiou o dinheiro num bolso, o celular no outro e saiu pela porta da casa como um furacão.
O cabelo escuro que ia até o quadril voava com o vento, enquanto ela andava rapidamente, olhando em volta procurando um lugar para almoçar. Parou em uma lanchonete e pediu um daqueles hambúrgueres gordurosos e um refrigerante, já que era a única coisa que conseguiria comprar com dez dólares. Não tinha reparado no tamanho da sua fome até pegar o lanche sobre o balcão. Comeu rapidamente, deu o dinheiro para a moça do caixa e perguntou a ela onde ficava o endereço do pedaço de papel que Zac deixara.
Saiu e seguiu pela rua vazia, era um sábado ensolarado e Lily estranhou o pouco movimento por ali. Andou por uns 10 minutos, dobrando nas esquinas que lhe foram indicadas e chegando até uma rua que não tinha comércio algum. Várias casas enfileiradas dos dois lados da rua, todas com um grande quintal na frente. Caminhou pouco mais de 20 metros, até encontrar a casa azul de número 64, que ficava do lado oposto da rua. Parou atrás de um poste de luz e viu que duas garotas estavam sentadas nas escadas na frente da porta conversando. Reconheceu Vanessa de longe. Ela tinha mudado bastante desde que a vira pela última vez, mais de seis anos atrás, mas ainda era a mesma Vanessa. Não reconheceu a garota do lado dela.
Seus olhos passaram pelo quintal e pararam em duas crianças brincando sob a sombra de uma árvore. Uma garotinha de vestido e um garotinho um pouco mais velho. Eles tinham um jogo de peças jogado sobre um pano azul. Lily reconheceu o menino como sendo seu filho, mesmo de longe ela lembrava de Zac ao olhar para ele. Logo lágrimas tomaram seus olhos, ela sabia que, de todas as burradas que já fizera na vida, abandonar Logan tinha sido a pior delas. Ela queria seu menininho, mas sabia que não seria nada fácil se aproximar.
Por um momento ela teve uma raiva incontrolável de si mesma, porque sabia que aquilo era culpa dela. Então lembrou de Zac, de como ele a induzira a acreditar que Logan seria um atraso enorme na sua vida e que ela merecia coisa melhor do que ter que criar uma criança. Ela e Zac não eram exatamente duas crianças na época, tinham feito 17 e acabado de se formar, poderiam ter trabalhado para sustentar o filho, mas ele preferiu fugir da responsabilidade e levar Lily junto. Ela não sabia como podia ter sido tão burra de cair na conversa fiada de Zac, não sabia por que tinha deixado para a irmã a responsabilidade de criar seu filho.
Ver Logan foi quase como se a realidade tivesse lhe dado um tapa na cara. Tudo que ela tinha ignorado e fingido não existir por tanto tempo havia se materializado bem na sua frente, e não tinha como fugir. Mas ela entendia que ela mesma tinha dado sua cara a tapa, quase sete anos antes, quando largou Logan no berço, pegou sua mala e saiu, pensando em nunca mais voltar.
Tirou o celular do bolso e discretamente tirou uma foto dele, sabendo que nem Vanessa nem a outra garota tinham visto ela ali. Respirou fundo, limpou as lágrimas e começou a correr de volta até a casa de Zac. Em menos de 5 minutos estava lá, se sentou no sofá, abraçou os joelhos e escondeu o rosto nas pernas. Um choro compulsivo tomando conta dela.

Lily: Por que você tem que ser tão estúpida, Lily? Estúpida, estúpida, estúpida...

Repetiu a palavra várias vezes até que ela perdesse o sentido e só seu choro pudesse ser ouvido na casa toda. Ainda soluçando, pegou o celular no bolso e olhou a foto que tinha tirado. A resolução não era das melhores, mas ela podia ver que Logan era um menino lindo. Lily imaginava como era a personalidade dele, já que Logan só tinha puxado o cabelo escuro dela fisicamente e o resto do Zac.
Deitou no sofá enquanto ainda encarava a foto, apertou o celular contra o peito e fechou os olhos. Por algum motivo estava cansada e caiu no sono ali mesmo, por cima das roupas e do cobertor usado na noite passada.
Lily acordou com o barulho da fechadura da porta da entrada. Se sentou, sentia as pálpebras pesadas por causa do sono. A porta se abriu e Zac entrou, trancando ela de novo em seguida. Lily pode ver que o céu estava num tom lilás, tinha começado a escurecer.

Zac: O que fez a tarde? (disse se dirigindo para a cozinha com uma sacola de mercado na mão)
Lily: Nada que te interesse. Eu acho. (Zac riu e ela pode ouvir um barulho de metal, ele estava guardando algo na geladeira. Lily pegou o celular e abriu a foto novamente. Voltou a pensar em como Zac usara as palavras para fazer ela desistir de Logan.) Por que você não quis que eu ficasse com ele?
Zac: O quê? (ele apareceu na porta, confuso)
Lily: O Logan. (ela tirou os olhos do celular e o encarou) Por que você me fez deixar ele com minha mãe?
Zac: Lily, não dá uma de louca. Você sabe que eu não te forcei a fazer nada, só não queria ver você trocando fralda de uma criança naquela idade. Você foi embora comigo porque quis, não te amarrei e te enfiei no ônibus.
Lily: Nossa criança, Zac. (ele ficou em silêncio, foi até ela e puxou o celular da sua mão)
Zac: Você viu ele? (ela apenas assentiu) Eu te dei o endereço mas não achei que você fosse ter coragem de ir até lá, Lily.
Lily: Você já conversou com ele? (perguntou olhando para os próprios pés)
Zac: Não importa... (ele jogou o celular sobre o sofá e virou de costas, voltando à cozinha)
Lily: Zachary!
Zac: Lily, esse garoto me odeia! E eu não quero mais saber dele, se eu quisesse ter alguma relação com ele não teria ido embora aquela vez! (gritou, virando-se de frente para Lily) Não sei como você acha que a Vanessa vai deixar você chegar perto dele depois de ter fugido. Você não sabe como ela se sente depois de tudo isso, não sabe.
Lily: E você sabe?
Zac: Eu falei com ela, eu vi o menino, eu conversei com ele. Eu não era da família. Ela é sua irmã.
Lily: Você era namorado dela! Você deixou ela para ficar comigo e me engravidou, Zac! Tá querendo dizer que ela confia em você?
Zac: Não, ela me odeia. (ele disse rindo, Lily viu que os olhos dele estavam ficando vermelhos) A diferença é que eu mostrei interesse, antes, em me aproximar, mas ele me odiou. E isso não me importa mais. Eu não me importo mais.

Zac se trancou no banheiro depois de discutir com Lily. Ela ficou sentada ali no sofá, mas parecia estar sendo sufocada. Se levantou e saiu da casa, caminhando pela quadra.
Aquele sentimento de arrependimento consumindo-a. Há tanto tempo que não sentia o calor e o amor da própria família. Tinha abandonado as únicas pessoas que um dia se importaram com ela para seguir sua paixãozinha adolescente que não durou nada.
Caminhou até a praia e deixou que apenas o vento falasse, acariciando seus cabelos. Ela esperava que ele lhe dissesse o que poderia fazer, mas não o fez.
Quando voltou à casa de Zac já passava das dez da noite e ele não estava. Ela andou até o quarto e se aconchegou entre os lençóis bagunçados, abraçando o travesseiro dele e dormindo em seguida.
E aí, pessoal? Duda aqui hoje. Nem lembro a última vez que apareci aqui porém q
Tudo bem com vocês? Como vai a escola? E a vida? Comigo e a Polly tá tudo bem.
Espero de coração que vocês gostem desse capítulo, focou mais no Zac e na Lily e a história do Logan, que a gente nunca tinha contado direito.
Vou deixar meu twitter e o da Polly aqui, se vocês quiserem nos incomodar lá u.u
@DudaMarquesR (eu, dã)                  @Polly_Cruz98 (Polly)

Abraços <3
Duda

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Chapter 48


"Mas difícil é saber que é verdadeiro, e não poder sentir"

Acordei antes mesmo de o despertador tocar, tomei um banho, coloquei um vestido com manguinhas, porque, não sei como, o clima tinha esquentado, e separei uma roupa para Maddie. Ainda tinha uma hora e meia até sair de casa, então desci e fiquei vendo TV, esperando que o despertador tocasse e Madison fosse atrás de mim. Tive tempo de assistir um noticiário antes que ela aparecesse na ponta da escada me chamando, de pijamas, cara amassada e cabelo bagunçado.

Maddie: Deeeeeems... (chamou manhosa e esfregando os olhinhos)

Demi: Oi, pequena. (levantei do sofá, fui até ela e a peguei no colo. Ela escondeu o rosto no meu pescoço)

Maddie: Aquele seu negócio tava fazendo barulho...

Demi: O despertador? (assentiu) A gente tem escola, tinha que acordar.

Maddie: Eu não quero acordar... (disse arrastando a voz e eu ri)

Demi: Mas tem que, ok? (ela resmungou) Tá um sol maravilhoso lá fora, vamos. (dei um beijo na sua nuca, provocando cócegas e fazendo ela rir baixo) O que você quer de café da manhã?

Maddie: Waffles. (levantou o tronco e sorriu)

Demi: Com que fruta?

Maddie: Aquelas bolinhas roxinhas... (disse fazendo gestos com a mão, um pouco mais desperta do que antes)

Demi: Mirtilos? (assentiu) Então você vai lá tomar banho que eu faço. (reclamou) Rapidinho, vai, suas roupas estão no pé da minha cama. (dei um beijo na sua testa e a coloquei de novo no chão.)

Mesmo achando ruim, Maddie subiu as escadas e foi tomar banho. Fiz os Waffles e estava arrumando a mesa quando a campainha tocou, abri e Selena logo me deu um beijo na bochecha e foi entrando.

Demi: Quanta folga, não?

Sel: To sentindo o cheiro lá de casa, Demi. E a única coisa que tem para comer lá é biscoito seco, e eu não to muito a fim. (disse seguindo até a cozinha e eu ri) Cadê a Maddie?

Demi: No banho. (disse sentando na cadeira da bancada) Todo mundo resolveu acordar cedo hoje ou o quê?

Sel: Hoje é dia de limpeza lá, daí já viu. (falou emburrada) Corri pra cá porque não tava a fim de ajudar.

Demi: Pobre Selena. (ri, ouvi passinhos na escada, me virei e vi Maddie descendo. Sel se levantou e esperou ela correr até ela para lhe dar um abraço e girar com ela no ar)

Sel: E aí, pestinha? (colocou-a de volta no chão)


Maddie: Oi, tia. (riu)

Nós tomamos o café, jogamos a louça na pia e fomos caminhando até a escola. Nunca vi Maddie numa preguiça tão grande, tive que carregar ela no colo de casa até a sala dela pra ela não ficar reclamando. Ela deixou a mochila dela na sala e foi pra perto de mim e Selena, que estávamos sentadas em um banco.

Sel: O Joe vem? (perguntou aproveitando que Maddie estava distraída com minhas pulseiras, assenti e logo vimos Nick e Joe passarem pelo portão.) Ah, oi. (ela sorriu)

Eles nos cumprimentaram, e Maddie logou pulou no colo de Joe. Nick sentou-se do lado de Selena que sorriu pra ele. 

Sel: Fez a lição de Matemática? ( enquanto escutava os dois conversarem sem prestar atenção, observei Joe e Maddie brincando. Ela já estava no chão e corria dele a poucos metros de onde eu estava)

Nick: Que lição? (escutei ele perguntar e Selena rir) Sério Sel. 

Sel: Vou lá com o Nick pra sala ok? Se importa de ficar com... (neguei rápido com a cabeça. Se era pra me acostumar que fosse logo não é? Sel me abraçou e eu sussurrei um "Está tudo bem" ela se afastou e sorriu, enquanto ria da expressão de nervosismo de Nicholas, quando entraram na escola dirigi o olhar pra minhas unhas, todas sem esmaltes e a maioria quebradas. Percebi que alguém sentou do meu lado e notei que era Maddie já que vi suas meias coloridas balançando por não conseguir tocar os pezinhos no chão)  

Maddie: Cadê a Tia Sel e o Nick? (perguntou assim que vire o rosto pra a olhar)

Demi: Nick se esqueceu de fazer umas coisas de Matemática e Sel foi ajudar ele. (Ela assentiu e virou o rosto pra frente) E Joe?

Maddie: O celular dele tocou e ele foi atender. (Assim que ela terminou de falar o sinal tocou)

Demi: Vamos? (Madison concordou enquanto pulava no chão e me dava a mãozinha)

Maddie: Mas o JJ?

Demi: Ele vai saber que a gente já foi pra sala. (ela assentiu de novo)

Caminhei com Maddie até a escolinha e assim que chegamos à frente de sua sala, me abaixei para lhe dar um beijinho na bochecha. Ela me abraçou e segurou meu rosto com as mãozinhas.

Maddie: Não briga com o Joe ok? Eu falei com ele também...

Demi: Ok pequena. A gente não vai brigar. (ela assentiu, e me aproximei encostando meu nariz no dela dando um beijo de esquimó. Ela riu e assim que me afastei dei um beijo rápido na ponta do mesmo.) Rapidinho dá a hora do intervalo e eu venho te pegar tá bom? (Maddie assentiu e eu me levantei observando ela entrar. Tia Lucy acenou próxima a mesa dela e eu sorri acenando também)

Caminhei até minha sala sem a mínima vontade de assistir alguma aula. Quando entrei já estavam praticamente todos lá, menos o professor claro. Olhei pro meu lugar de costume do lado de Selena, mas esse já estava ocupado por Nick que encarava as folhas na mesa com uma cara confusa. Vaguei o olhar até a cadeira do lado de Joseph e percebi que era ali mesmo que eu teria que sentar. Tentei esconder que meu ânimo só piorou depois daquele momento e fui até a cadeira, jogando a bolsa do meu lado no chão. Joe encarava a janela do seu lado e pareceu não perceber que eu tinha me sentado. Puxei o caderno da bolsa e o estojo os jogando na mesa e encarei o quadro. Queria perguntar quem tinha o ligado, mas eu não tinha mais o direito de me meter nisso. Ok, que ficamos como amigos, mas as coisas ainda estavam meio complicadas e ao que tudo indicava tínhamos voltado à estaca zero de relacionamento. Então: Eu era a amiga, mas não a amiga que podia se meter na vida dele. Juntei as mãos em cima do caderno e entrelacei os dedos. Mordi os lábios tentando agir naturalmente. 

Joe: Oi... (me virei pra ele sorrindo forçado) Não te vi entrar...

Demi: Percebi... (ri fraco e ele fez o mesmo) Distraído?

Joe: É... Um pouco. (Encarei minhas mãos sobre a mesa e quando ia tentar começar uma conversa escutei o professor entrando na sala. Suspirei fraco e abri o caderno tentando dar atenção ao o que ele falava.) O que foi? (senti Joe me cutucar de leve com o cotovelo).

Demi: Nada... (sorri pra ele. Era claro que ele sabia por que eu estava assim.)

Joe: Minha mãe ligou... (comentou dando de ombros) A mesma perturbação sabe? Eu vim pra cá pra ver se ela saia do meu pé, mas parece que piorou. (assenti. Eu realmente não sabia como que o tempo tinha feito Denise e Dianna mudarem tanto).

Demi: Eu sinto muito... (eu realmente sentia. Ele sorriu torto.)

Joe: E sua mãe?

Demi: O que? (eu não entendi em parte a pergunta)

Joe: Não tenho visto ela. (deu de ombros)

Demi: Trabalhando. Volta na semana que vem. (Senti uma pontada no peito percebendo que já era sexta e que logo ela estaria em casa novamente, como o silêncio voltou eu preferi ficar quieta)

Joe: Demi? (me chamou) Me promete uma coisa?

Demi: Prometo. (Isso, responde sem pensar)

Joe: Promete que não vai deixar a Maddie sozinha com a Dianna? E que nem você vai ficar sozinha com ela? (me encarou nos olhos, e senti os pelos da minha nunca se eriçarem)

Demi: Sabe que eu não posso ficar fugindo sempre dela não é? (ele concordou) Mesmo sendo do jeito que é, ela é minha mãe. Claro que não confio mais nela com a Maddie, mas eu...

Joe: Você...? (perguntou)

Demi: Eu não posso... (respirei fundo) É difícil Joe... (passei a mão no cabelo o jogando pra trás) Eu acho que nunca vou conseguir te explicar certas coisas...

Joe: E eu confio em você pra me contar assim que estiver pronta (assenti, enquanto ele colocava uma mecha do meu cabelo pra trás. Me virei pra frente observando as anotações no quadro e resolvi me concentrar naquilo, sempre que eu começava a rondar em volta da verdade, eu tinha medo de me perder nos assuntos e contar a ele o que tinha acontecido. E eu sabia que Joe me conhecia até melhor do que eu. Não podia arriscar.)

~//~//~//~
Maddie: Sabe de uma coisa? (Maddie falou chamando nossa atenção enquanto Selena falava coisas sem sentido. Essa era uma coisa que eu amava nela: Sempre que o assunto começava a ficar meio estranho, ela mudava de rumo, fazendo com que isso agradasse a todo mundo)

Demi: O que Madison? (Perguntei pegando uma batata frita da minha bandeja. Tínhamos ido ao McDonald depois da aula, já que tinha um bom tempo que Maddie pedia pra ver Tiff e a gente nunca conseguia.)

Maddie: A gente pode vir aqui mais vezes... (disse tentando abrir o brinde que vinha na caixinha do lanche acabou desistindo e entregou a Joe) De uma vez eu ganhei um monte de brindes ó... (ela apontou pra todos os brinquedos que tinha ganhado. Madison tinha obrigado a todos comprarmos o lanche infantil pra ela pegar os brinquedinhos).

Sel: Muito interesseira você. (uma deu língua pra outra)

Maddie: Demi abre minha coquinha? (piscou os olhos rápido com uma cara fofa. Ri disso colocando o canudo em seu copo e a entregando) Obrigada. (Nick que mexia no celular e começou assobiar uma canção que eu não conhecia, Selena emplacou numa conversa com Joe que eu não sabia do que era. Fiquei vendo Maddie jogar uma batata na boca e brincar com as bonequinhas sobre a mesa e um sorriso involuntário surgiu no meu rosto. Ela pareceu notar que eu a olhava e me encarou também sorrindo. Fechou os olhinhos me mandando um beijinho e eu fiz o mesmo pra ela que riu mordendo outra batata. Era por momentos assim que eu tinha vontade de lutar, e continuar perto da minha filha. Perto da minha pequena que não tinha ideia de o que o mundo tinha preparado pra ela. Escutei a gargalhada de Maddie e reparei que Selena tinha passado ketchup na boca, e dizia que iria dar um beijo nela.) Demi não deixa! (ela gargalhou tentando se esconder atrás de Joe que só ria daquilo).

Selena: Se ela não deixar, eu também vou beijar ela. (Sel disse)

Demi: Então me desculpa Maddie, não quero chegar toda melada em casa. (Ela me deu língua rindo)

Maddie: Suas bobas. (Riu se sentando direito enquanto Selena limpava a boca com um guardanapo)

Demi: Acho que já tá na hora da gente ir. (Maddie fez bico) A gente ficou a tarde toda Madison, eu tenho que fazer lição ainda. (Ela continuou com o bico, mas assentiu) Até amanhã gente... (Disse me levantando, ajudando Maddie a por a mochilinha dela, e logo depois pegando as minhas enquanto ela pegava os brinquedos.)

Joe: Eu levo vocês, a cadeirinha do Frankie ta no meu carro... (concordei. Não estava mesmo a fim de ir sozinha. Me despedi de Nick e Selena que disseram que iriam mais tarde. E eu até entendia eles, com tanta coisa acontecendo não estavam encontrando tempo nem pra ficarem sozinhos. Assim que chegamos ao carro, Joe me ajudou a prender Maddie na cadeira e fomos nos sentar no banco da frente. Ela foi tagarelando o caminho todo, acho que pela bendita Coca-Cola.) 

Divulgação

Oi! Como estão? Ok, eu sei que estamos demorando muuuuuuuuuito pra postar, mas é porque ta muito corrido as coisas pra mim e pra Duda. Bom, obrigada a Nanda Carol pelo selinho, só não vou postar hoje pra esperar a Duda chegar de viagem (T.T) Aí a gente arruma direitinho ok?
Acho que é só isso. Espero que gostem, e desculpem (sei que ta enchendo isso) pela demora. Amo vocês. 
Polly.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Chapter 47

"Não dá para escolher se você vai ou não se ferir neste mundo, meu velho, mas é possível escolher quem vai feri-lo"



Observei Joe sentar-se na outra cadeira, do outro lado da mesa quadrada. Segurei os lados de minha cadeira pra controlar o intuito de me levantar e sair correndo. Não queria ter aquela conversa mas eu tinha que fazer isso. Queria voltar ao passado, ser só aquela garotinha sem problemas e com a vida perfeita. A família perfeita. Mas não podia, a vida me fez crescer, me fez aprender que nem tudo é belo e incrível. E agora ela tinha me provado novamente que ela adorava me pregar peças, e aqui estou eu, sentada de frente ao amor da minha vida. Podendo sair dali, com a situação resolvida, ou então perdendo uma das pessoas mais importantes pra mim. Pra sempre.

Joe: Oi...  (Escutei ele falar e levantei a cabeça pra o encarar) 

Demi: Oi... (Tentei forçar um sorriso mas pela cara que Joe fez devia ter saído uma careta) 

Joe: Desculpa, tive que resolver umas coisas com a minha mãe e tive que atrasar... (O interrompi) 

Demi: Tudo bem, eu mesma me atrasei um pouco... (ele assentiu. Ficamos mais um tempo em silêncio. Talvez segundos. Minutos. Não pude perceber, o restaurante já vinha enchendo um pouco, mas era como se eu pudesse escutar meu coração martelando em meu peito.) 

Joe: Então... O que vai pedir? (tirei a atenção da correntinha no meu pulso pra o olhar)

Demi: O quê? (levantei uma das sobrancelhas) Não. Não, sério. 

Joe: É o mínimo que posso fazer, Demi... (me olhou dando um sorriso fraco pelo canto da boca) Por favor, vai?

Demi: Joe, eu não sei... (Hesitei enquanto ele mantinha o olhar preso em mim) Ok. (revirei os olhos e ele sorriu)  

Depois de um tempo enrolando encarando o cardápio acabei por pedir a mesma coisa que Joe. O prato era  Toowoomba Pasta e como eu não tinha experiência nenhuma com comida daquele jeito resolvi não arriscar muito. Logo que chegou começamos a enrolar mais ainda com a comida. Estava na cara que nenhum dos dois queria comer, mas também não queria começar o assunto. Como eu queria acabar com aquilo ali logo resolvi tomar iniciativa. 

Demi: Quando você foi lá em casa... (olhei para baixo, ouvindo minha voz um pouco mais alta do que o esperado e senti Joe me encarando) Pra explicar o que aconteceu... Eu não devia ter gritado, me desculpa.

Joe: Eu também não, desculpa.

Demi: Sabe Joe, nesses anos todos eu nunca mantive na minha cabeça o pensamento de que você nunca ficaria com outra garota. Ou que fosse me esperar pra sempre. Mas, poxa, a gente não tava junto? Quer dizer, também, a Ashley, ela vem me atormentando desde que me mudei e daí... (respirei fundo quando percebi que tinha falado rápido demais) Ela foi uma das pessoas que fez da minha vida, da vida da Madison e da Selena um inferno nos últimos anos.

Joe: Demi, isso não tem nada a ver...

Demi: Ah, tem a ver, sim. Os últimos anos foram infernais aqui, com ela atormentando e tudo mais.

Joe: Eu digo, poxa, quantas vezes eu vou ter que dizer o que aconteceu lá? Que foi a Ashley e não eu? (perguntou olhando nos meus olhos e eu quase me derreti)

Demi: Eu to aqui começando a achar que o problema sou eu. (mexi a pulseira no meu pulso, Joe olhou confuso) Sabe, parei de confiar nas pessoas. (semicerrei os olhos, pensando sobre isso) Já aconteceu muita merda na minha vida, Joe. Muita, mesmo. E é bem difícil confiar quando tanta gente te fez mal.

Joe: Também já aconteceu muita coisa comigo mas eu não desconto isso em você. Nem na minha “confiança” em você. (disse um pouco mais irritado. Sorri um tanto quanto sarcástica)

Demi: Não é a mesma coisa.

Joe: E como você sabe disso?

Demi: Eu sei, eu só sei. (Joe revirou os olhos)

Joe: Onde você quer chegar afinal?

Demi: O que você considera a coisa mais importante num relacionamento?

Joe: Amor? (sussurrou)

Demi: Segunda coisa mais importante? (me corrigi mas ele não respondeu) Confiança, Joe, confiança. Você não fica com uma pessoa se não consegue confiar nela, se não sabe como confiar de todo coração. (meus olhos lacrimejaram e eu respirei fundo) 

Joe: Demi, não...

Demi: E por que não, hein? Nas últimas vezes que a gente se viu a gente só gritou um com o outro. E eu não consigo, por mais que eu tente, sinceramente, tirar aquela droga daquela cena da minha cabeça.

Joe: A Maddie, ela... (o interrompi)

Demi: Ela não tem nada a ver com isso. (uma lágrima desceu pela minha bochecha e eu nem me importei em secá-la) Só acho que, sabe, talvez a gente devesse dar um tempo.

Joe: Quatro anos, Demi. Nós demos um tempo de quatro anos.

Demi: Quatro anos e eu não to pronta para um relacionamento de novo. O que eu posso fazer? O que, me diz? (ele suspirou) Desculpa Joe, mas eu acho que é melhor pra gente. (encolhi os ombros)

Joe: Se é isso que você quer, não posso falar mais nada pra você mudar de ideia, não é?  (respondeu amargo)  Você vai querer mais alguma coisa ou já terminou? (perguntou frio enquanto tirava a carteira do bolso)

Demi: Não, valeu... (reprimi um soluço)

Joe se levantou e me deixou ali sentada. Pus as duas mãos sobre o rosto e suspirei pesadamente, esperava que aquilo fosse o certo a se fazer. Levantei o rosto, pude o ver saindo do restaurante e me levantei, saindo dali também. Segui à direita, já tinha passado das 20:30 e não havia mais tanto movimento de carros ali. Sequei as bochechas com a manga do sobretudo que eu usava. Não queria me afastar de Joe, nem podia porque não queria que Maddie também sentisse sua falta. Mas era uma droga mesmo. No meio do caminho até a casa de Selena começara a chover. Tentei sem sucesso colocar minha bolsa sobre a cabeça, mas não adiantaria nada. Caminhei dois minutos até perceber um carro me seguindo, olhei para trás e reconheci o carro preto de Joe. Parei de andar e ele parou ao meu lado, abriu a janela do carro pra falar comigo.

Joe: Entra aí, Dem. (suspirou)

Demi: Não, Joe.

Joe: Entra, vai se gripar de novo. (aceitei derrotada, ele abriu a porta do carro e eu me sentei no lado do carona. Se virou para trás e me alcançou uma toalha que tinha no banco traseiro.)

Demi: Obrigada. (agradeci e comecei a secar um pouco meu cabelo.) 


Joe: Vai ficar na sua casa ou na da Selena?


Demi: Sel. (ele assentiu, ligou o carro e deu partida, andando devagar por causa da chuva. Incomodada com o silêncio, fui ligar o rádio do carro mas Joe segurou minha mão.) O que foi? (puxei minha mão de volta)


Joe: Me desculpa ter sido grosso com você? (me lançou um olhar e logo depois voltou a atenção à estrada)


Demi: Joseph...


Joe: Só me desculpa, eu entendo sua decisão.


Demi: Ok. Eu... não quero que se afaste por causa disso, tá? (olhei minhas mãos entrelaçadas sobre minhas pernas, que estavam encharcadas pela chuva)


Joe: Não sei se... (o interrompi)


Demi: Por favor. Se não por mim, pela Maddie, então. (o encarei e ele suspirou)


Joe: Tá certo, pela Maddie. (sorri com sua resposta, ele me encarou por uns segundos e sorriu também) Vai pra aula amanhã?


Demi: Sim. (respondi rindo da sua tentativa frustrada de mudar de assunto) Bom começo, Joe, bom começo. 


Ele fez cara de convencido me fazendo rir de novo, ligou o aparelho de som e colocou um CD do John Mayer. Gritamos Only Heart até chegarmos à casa de Selena, os dois ignorando o que significava a letra da música e o quanto se identificava com nossa situação. Assim que parou o carro, Joe diminuiu o volume e se virou pra mim.


Joe: Entregue. (sorriu de lado)


Demi: Obrigada por me trazer. (soltei meu cinto, larguei a toalha, e ele assentiu, nos encaramos por um tempo) Boa noite. (sussurrei e me estiquei pra dar um beijo na sua bochecha)


Joe: Boa noite. 


Ele sorriu antes de eu deixar o carro. Corri até a porta de Selena rapidamente por causa da chuva, me virei para ver o carro de Joe dar partida e depois toquei a campainha. Sel logo abriu.


Sel: Já? (fez careta e me deixou entrar)


Demi: É. (suspirei me sentando no sofá) Cadê a Maddie?


Sel: Lá em cima com a minha mãe. (trancou a porta e veio se sentar ao meu lado) Quer tomar um banho e trocar de roupa? Você tá ensopada. (fingiu uma cara de nojo me fazendo rir)


Demi: Não, deixa. Já vou pra casa.


Sel: Não, não. Anda, vai lá no meu quarto, eu arranjo uma roupa pra você.


Demi: Tá bom. (revirei os olhos, Selena me empurrou escada acima e para o banheiro do quarto dela. Depois deixou uma blusa de moletom, uma camiseta e uma calça jeans minha que tinha ficado lá. Tomei um banho rápido e logo saí. Sel me esperava sentada na sua cama)


Sel: Me fala o que aconteceu lá. (me sentei ao seu lado)


Demi: Eu... Ah, Selly. Não sei se fiz a coisa certa, mas eu achei melhor não... (levantei o olhar até ela, esperando alguma reação.)


Sel: A vida é sua, cara. Acho que você sabe o que faz, né?


Demi: Acho que sim. (franzi o cenho) Fiquei esperando ele voltar por tanto tempo e... Acho que não tava pronta, sabe? (ela assentiu) Mas a gente ficou de boa. Depois, porque na hora a gente se desentendeu. Você disse que eu não devia separar a Maddie dele, ele concordou e acabamos por nos entender por causa dela.


Sel: Ai, Deus... (ela me abraçou de lado e encostou a cabeça no meu ombro)


Demi: Não to pra abraços, Selena. (empurrei ela, que riu, brincando pro lado.) Acho que eu vou pegar a Maddie e ir embora.


Sel: Ela tá lá no quarto da minha mãe. (assenti, me levantei, caminhei até o ultimo quarto do corredor, o de Amanda, e bati na porta)


Mandy: Entra. (abri a porta. Maddie estava jogada na cama de casal vendo um desenho e Tia Amanda sentada em uma poltrona lendo. Assim que Maddie virou a cabeça e me viu pulou da cama)


Maddie: DEM! (me agachei no chão, ela correu e me abraçou pelo pescoço)


Demi: Oi, meu amor. (beijei sua bochecha e levantei com ela no colo) Oi, Mandy. (sorri e ela se levantou)


Mandy: Oi, Demi. Tudo bem? (assenti ainda sorrindo fraco)


Demi: A Maddie incomodou muito?


Mandy: Que é isso! (ela riu) Claro que não.


Demi: Bom mesmo. (olhei pra Mad que fez bico)


Maddie: A lasanha da Tia Amanda tava tãããããão boa, Demi!


Demi: Tava, é? (ela assentiu) E você já agradeceu ela?


Maddie: Brigada, Tia Mandy. (sorriu pra ela) 


Mandy: De nada, pequena. Você vai dormir aqui, Demi? (ela perguntou e eu neguei com a cabeça)


Demi: Vou pra casa mesmo.


Mandy: Tudo bem, qualquer coisa só ligar. (assenti. Dei um abraço nela e Maddie um beijo na bochecha, depois fui até o quarto da Selena onde ela arrumava a bolsa de Maddie)


Demi: Só joga tudo aí dentro, Sel. (ela deu de ombros e fez o que eu disse, me fazendo rir)


Sel: Vai mesmo ir? (fez bico)


Demi: Sim, quero minha cama. (ela riu) Vou aproveitar que parou de chover. (disse observando o lado de fora pela janela)


Sel: Tá bom. Vou com vocês lá embaixo. (ela pegou a bolsa de Maddie e nós descemos as escadas, até a porta) Tchau, pequena devoradora de lasanha. (se aproximou e mordeu a bochecha de Maddie, fazendo ela gargalhar) Tchau, Demi. (me abraçou do jeito que dava)


Maddie: Tchau, Selly. (respondeu apoiando a cabeça no meu ombro)


Demi: Valeu por ter ficado com ela. (sorri) Até amanhã. 


Peguei minha bolsa da mão dela, saí dali e fui rápido pra casa. Cheguei, tranquei a porta, deixei a bolsa de Maddie no tapete da sala e me joguei com ela no sofá. Deitei e a deixei sentada na minha barriga.


Demi: Foi legal lá na Selly? (perguntei brincando com suas mãos e ela assentiu)


Maddie: Aham. A gente dançou Barney e tudo. (sorriu) Você foi fazer o quê? (ela colocou uma mão de cada lado do meu rosto e fez carinho, suspirei)


Demi: Que tal a gente arrumar as suas coisas e deitar que daí eu te conto? (ela assentiu)


Depois de trocar de roupa, trocar a roupa da Maddie e arrumar a bolsa que tinha deixado com Selena, a gente se deitou na minha cama. Liguei a TV em um canal qualquer e aninhei Maddie no meu braço direito, deixando ela com a cabeça no meu peito e segurando sua mãozinha. Ficamos em silêncio enquanto ela tomava sua mamadeira e via o desenho que passava. Ela logo me deu a mamadeira, que eu deixei no criado mudo antes de desligar a tv, e virou um pouco a cabeça pra me olhar.


Maddie: Dems...


Demi: Hum?


Maddie: O que você foi fazer quando me deixou lá na Sel?


Demi: Eu fui jantar com o Joe. (respondi baixo)


Maddie: Por que não podia me levar junto? (fez bico)


Demi: Porque eu tinha que conversar sério com ele, meu amor. (fiz carinho no seu braço) Eu teria levado você se pudesse.


Maddie: Aquele dia lá em casa vocês tavam brigando? (meneei a cabeça) Não quero que vocês briguem, Demi. (os olhos dela encheram de lágrimas) Por que você tinha que conversar com ele?


Demi: Ah, pequena, não sei se você entende...


Maddie: Entendo, sim. (insistiu e eu suspirei)


Demi: O Joe fez uma coisa errada, que ele não devia ter feito. E me machucou.


Maddie: Por que você não perdoa? Você sempre diz que faz bem perdoar.


Demi: Eu perdoei ele, só que a gente não tá mais namorando agora. (observei o rostinho dela, os olhos marejados atentos em mim. Logo os meus lacrimejaram) É melhor assim, agora ele é meu amigo e a gente ainda vai se ver.


Maddie: Ele não pode mais ser o meu irmão/papai? vide cap 31 u.u


Demi: Oh, Maddie... (fiquei sem saber o que responder a ela, puxei-a pra cima, virei de frente pra ela e beijei sua testa, deixando uma lágrima escapar do meu olho direito) Eu te amo tanto, meu anjo.


Maddie: Eu também te amo. 


Ela me abraçou pelo pescoço, deixando o rosto à mesma altura que o meu e deu um beijinho na ponta do meu nariz. E no fim do dia estar ali com ela era o que mais importava pra mim.

Peguei no sono com Maddie ali, agarrada ao meu pescoço.


Olá! Polly aqui :) Como estão? Como foram de carnaval? O meu foi a coisa mais legal do mundo : Dormir, comer e pc. Mesmo não curtindo espero que o de vocês tenha sido legal. Bom, como a Duda disse minhas aulas começaram ontem (18) e vai ficar mais complicado pra mim aqui D: Então... Não foi o que esperavam né? Infelizmente Jemi não voltou ~chora~ mas ainda vão acontecer muitas coisas. Espero que tenham gostado, e é isso. 
Mil beijos, Polly.

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Chapter 46


O tempo vai curar o que a vida deixou machucar.
Algumas feridas nunca saram...
(Só esquecemos que estão lá)

Sel on

Cheguei à escola meia hora antes do que estava acostumada a chegar e sentei no meio fio na frente do portão, que por ser cedo ainda não tinha sido aberto. Não que eu adorasse me meter na vida das pessoas, mas a Demi é uma das que eu daria a vida e eu queria muito que ela e Joe se acertassem. Esperei pacientemente que ele chegasse, cinco minutos depois ele sentou ao meu lado no meio fio.

Sel: Oi? (disse quando ele não falou nada)

Joe: Oi.

Sel: Joe, por que fez aquilo?

Joe: Hã? Selena, eu nunca beijei a Ashley, nunca nem passou pela minha cabeça que... (ele começou a falar rápido e eu o interrompi sorrindo)

Sel: Era só um teste com você. O que aconteceu lá? (ele suspirou)

Joe: Eu tava guardando o material, o armário da Ashley fica perto do meu e ela tava por ali. Ela tinha ficado pegando no meu pé de manhã, você viu e tudo...

Sel: É, a Demi me falou o que deu lá. (falei baixo)

Joe: Ela simplesmente veio e se grudou em mim, Sel. Me agarrou ali, não deu nem tempo de me soltar.

Sel: Se a Demi não tivesse visto... Você contaria pra ela?

Joe: Claro que sim. (ele respondeu sem hesitar, sorri fraco)

Sel: Queria ouvir seu lado de tudo, não seria justo julgar antes.

Joe: Você acredita em mim, então?

Sel: Sim. Por quê, não deveria?

Joe: Não, é porque a Demi não acreditou. Não entendo vocês, mulheres. (eu ri)

Sel: Ela tava estressada, Joe. Com dor de cabeça, mal da gripe e tava absorvendo tudo ainda. Acho que se você falar com ela hoje ela vai te ouvir. Mas tenta mesmo, tá?

Joe: Sim. Ela não vem hoje, né? (neguei) Vou falar com ela depois da aula, então.

Sel off / Demi on

Acordei com pulos na cama e Maddie me chamando - Demi Demi Demi Demi acorda Demi - então me obriguei a abrir os olhos. Ela estava de joelhos ao meu lado na cama, ainda de pijama, claro.

Demi: Bom dia, senhora energia.

Maddie: Oi, Demi. (ela deu um beijo na minha bochecha) A gente não vai pra escola, não? 

Demi: Não, meu amor. (bocejei e sentei na cama, olhando o relógio na cabeceira. Já eram 9:30) Tá com fome? O que quer comer? (perguntei quando ela assentiu)

Maddie: Faz panquecas com carinhas? (eu sorri) Com calda de morango.

Demi: Tá bom, mas você vai tomar banho enquanto eu faço. (ela fez biquinho) Vem, Mad. (ri) 

Levantei da cama, deixando tudo desarrumado mesmo, empurrei Maddie pro banho e fui escovar os dentes. Levei uma roupa para ela no banheiro e depois desci pra fazer as panquecas. Fiz duas pra cada, as da Maddie com carinhas sorridentes e as minhas sem nada. Logo ela veio até a cozinha, com a escova de cabelo em mãos, como sempre, e usando uma jardineira jeans, uma blusa de manga comprida e tinha calçado minhas pantufas. Sorri com isso, ela quase tropeçou enquanto andava até mim me fazendo rir.

Maddie: Ri não, Dems. (fez bico e me alcançou a escova)

Demi: Por que você tá usando isso? Fica enorme em você.

Maddie: Porque são fofas e têm seu chulé! (ela gargalhou enquanto eu passava a escova no seu cabelo)

Demi: Ah, bom saber. Vou esconder elas daqui pra frente. (brinquei e Maddie sorriu, larguei a escova de lado) Vamos comer? (assentiu)


Tinha deitado no sofá da sala para ver um filme qualquer, Maddie brincava com alguns Legos no tapete, de costas para mim. Eu tentava ver o filme mas acabava prestando mais atenção em Maddie do que nele.  Ela ficava reclamando que não conseguia “montar direito” e que “fica tudo torto”.

Maddie: Demi, cadê minhas massinhas? Cansei disso. (se virou para mim)

Demi: Tá lá em cima, na sua caixinha de brinquedos.

Maddie: Não vai buscar pra mim? (piscou os olhinhos e eu neguei rindo) Preguiçosa. (resmungou e foi escada acima)

Enquanto Maddie pegava as massinhas eu peguei um pedaço grande de papel pardo e forrei o tapete da sala com ele para não sujar, não estava muito a fim de ter que lavar um tapete. Ela logo desceu e pediu que eu fosse brincar com ela, sentamos lado a lado sobre o papel.

Maddie: Demi, você sabe fazer o Yoshi?

Demi: Não. (respondi tirando um pedaço azul de massinha do cabelo, Maddie riu. Peguei o pedaço e deixei ele em forma de gota.) Olha só, uma gota de chuva. (joguei nela que riu de novo e o pegou do chão)

Maddie: Vai, Demi, tenta fazer o Yoshi. (fez biquinho)

Demi: Tá bom, tá bom, mas se parecer com uma tartaruga não me culpa. (ela assentiu sorrindo. Peguei toda a massinha verde e fiz com que se parecesse pelo menos um pouco com um dinossauro, enquanto ela tentava fazer um boneco de neve roxo) Por que não me ajuda a fazer os olhinhos e as coisinhas nas costas dele?

Maddie: Tudo bem. (largou o boneco de neve pela metade e deitou de bruços ao meu lado.) Como faz? Eu não lembro como ele é.

Demi: Você pega um pedacinho da massinha vermelha daí faz uma bolinha, assim ó. (mostrei a ela) Daí amassa, e coloca aqui, no meio das costas dele. (fiquei observando ela fazer, com um sorriso no rosto. Eu não merecia ela, não mesmo.)

Maddie: Assim? (ela colocou a massa no pequeno projeto de dinossauro do Mario e apertou para grudar.)

Demi: Uhum. Agora você pega três pedacinhos beeeem pequeninhos de laranja, faz três bolinhas e coloca atrás da cabeça dele, enquanto eu faço os olhos, tá?

Logo Maddie tinha terminado a parte dela e eu a minha, tentei arrumar o bichinho o mais bonito o possível, só que eu não sei fazer milagre.

Maddie: Ficou bem bonito. (ela me olhou sorrindo)

Demi: Você achou, é? (assentiu) Que bom. (sorri a abraçando de lado) Tem que deixar secar, depois você pode levar para o seu quarto se quiser.

Maddie: Tá. (se aconchegou no meu abraço) Eu to com fominha.

Demi: Mas já? (perguntei brincando)

Maddie: É. A gente podia ir no Mc...

Demi: Ah, Maddie. (fiz careta e ela perguntou o que era) Sua irmã aqui tá doente ainda, (foi minha vez de fazer bico no dia) por que a gente não faz um macarrão? Você me ajuda?

Maddie: É que eu queria ver a Tia Tiff, mas tudo bem, eu ajudo. (sorriu)

Demi: Qualquer dia eu chamo a Tiffany aqui em casa, é só pedir quando quer ver ela, tá? (assentiu) Agora, enquanto você limpa essa bagunça eu arrumo as coisas para fazer o almoço. (beijei a testa dela e me levantei, sendo imitada por Madison) Pode ser?

Maddie: E eu tenho escolha? (perguntou com os bracinhos para cima, como se estivesse em dúvida)

Demi: Não tem. (respondi rindo e corri para a cozinha, ouvindo Maddie gritando para me repreender.)


Depois de almoçar e lavar a louça, deitei com Madison no sofá. Ela me pediu que eu lhe fizesse uma mamadeira e estava tomando ela enquanto assistíamos a Garfield, e em poucos minutos cochilou. Fiquei algum tempo encarando ela dormir no meu colo, mas meu corpo começou a reclamar do peso dela e tive que levá-la para a cama. Subi até o meu quarto, a deitei do meu lado da cama e a cobri. Tinha começado a chover fraco e eu tive que resistir à tentação de deitar ali junto a ela. Dei um beijo na sua testa e peguei nossas mochilas, que estavam jogadas em um canto do quarto, a minha para fazer as atividades que Selena havia me passado e a de Maddie para ver se ela não tinha esquecido de fazer nada.
Até aquele momento, fazer a tarefa foi o único ponto negativo do dia. Até porque passar um dia daqueles com Maddie – por mais que tivesse sido mais de manhã – me deixava feliz e mais relaxada que qualquer outra coisa no mundo.
Depois de terminar minhas atividades peguei a mochila de Maddie e olhei cada um dos seus cadernos – tinha de música, desenho, texto e blablá, só que ela mal os usava porque era mais nova que o resto do pessoal da sala, então estava num nível de aprendizado diferente; já disse que ela ficava lá porque eu não tinha como deixar ela sozinha, né? A maioria das coisas escritas quem escrevera fora Lucy, os outros rabiscos coloridos foram feitos por Maddie. Praticamente cada risco tinha uma cor diferente e preenchiam páginas inteiras; havia também alguns desenhos, bem feitinhos, dela. Depois de ficar minutos ali sorrindo sozinha para algumas folhas rabiscadas, vi que tinha uma página dobrada e abri o caderno naquela página. Havia uma folha de ofício colada. Abri e era uma autorização para uma peça de teatro. Por que Maddie não tinha falado daquilo?
Enfim, guardei o resto do material e deixei o caderno ali em cima para não esquecer depois. Já eram duas e meia da tarde, resolvi tomar um banho. Busquei minhas roupas no quarto e fui tomar banho no banheiro do corredor, para não fazer barulho e Maddie acordar. Escovei meu cabelo parada na frente ao espelho, eu o deixei solto, não estava afim de fazer muita coisa . Aproveitei e escovei os dentes rapidamente, caminhei de volta até meu quarto e vi que Maddie ainda dormia. Resolvi descer de novo e fui pra varanda da frente, me sentei nas escadas e fiquei ali aproveitando uns fracos raios de sol que escapavam de entre as nuvens. Respirei fundo a brisa que vinha em meu rosto, numa mistura de quente e frio, mas que era gostosa. Eu queria, eu precisava, mas nada me fazia tirar aquela cena da minha cabeça. Suspirei pesadamente, e coloquei os pés num degrau acima, fazendo meus joelhos ficarem mais perto do meu queixo que eu apoiei ali. Encarei a outra casa a frente, e foi tempo de ver Sel chegando da escola, ela tinha a bolsa jogada no ombro, e tinha fones no ouvido. Assim que me viu, acenou sorrindo. "Vem cá." Movi meus lábios numa tentativa dela entender. Selena apontou pra si mesma e depois pra mim. Assenti sorrindo e ela atravessou a rua, passou pelo portão e parou na minha frente. 

Sel: Como você tá? (arrumou a bolsa no ombro me encarando, tirou um dos fones) 


Demi: Melhor... (foi o que consegui dizer)


Sel: Maddie? (sentou-se do meu lado)


Demi: No meu quarto dormindo... (dei de ombros, senti ela me encarando) Você falou com ele, não é? (suspirou e assentiu) Eu só quero esquecer o que aconteceu. Mas sei lá, não dá. Eu não consigo acreditar que eu vi aquilo... (senti lagrimas aparecerem em meus olhos e os esquentarem por completo)


Sel: Você tem que conversar com ele. (colocou a mão no meu ombro direito)


Demi: A gente já conversou, e simplesmente não dá. (sequei a bochecha com as costas da mão esquerda e abaixei as pernas) Eu acho que se nós ficarmos remexendo no passado só vai piorar as coisas. 


Sel: Acontece que mesmo não querendo, vocês têm que falar do passado. (se virou pra mim, colocando meu cabelo pra trás nas costas) Esqueceu da estrelinha dormindo lá no seu quarto? Ela é dele também... (sorriu fraco, abaixei a cabeça e a única coisa que consegui ver foram as lágrimas caindo na direção da minha coxa)


Demi: Eu não me arrependo de nada, sabe? (ela assentiu) Eu não sei como seria minha vida sem a Maddie... Mas por que as coisas tem que ser assim? 


Sel: Lembra o que minha avó dizia? "Deus escreve certo por linhas tortas, minha netinha" (tentou imita-la mas sem sucesso, me fazendo rir) Eu acho que você devia ir falar com ele. (a encarei assustada) Não. Não, da Maddie. Eu acho que isso aí você ainda tem que pensar com mais tempo. Mas sobre vocês dois. (aspirei com força pelo nariz) O Joe ta arrasado também, e eu to me sentindo mal por ter que ficar me metendo entre vocês dois e ficar mandando recado. (revirou os olhos e eu ri) Sério, fala com ele, ok? (joguei uma baforada de ar com força pela boca) 


Demi: Vou tentar... (Selena me abraçou de lado)


Sel: Seja gentil, ok? (dei careta pra ela) Eu até fico com a pequena pra você. 


Demi: Como se já não fizesse isso, não é? (ela riu) Então, como foi na escola? (quando ela iria responder a cortei) Não diga " normal"  ou então "a mesma coisa de sempre" 


Sel: Então tá. Igual aos outros dias! (levantou os braços como uma criança da idade de Maddie faria pra fazer graça) Não foi boa, né? (neguei com a cabeça rindo) Ok, ok. O pai do Logan apareceu aí. 


Demi: Ele não tinha ido embora com a mãe dele? (fiz cara de confusa)


Sel: Foi o que a Van me disse, mas parece que ele voltou. (olhou pro ipod provavelmente procurando outra música)


Demi: O que ele quer? (perguntei, pelo menos pra não ficar silêncio)


Sel: A Vanessa disse que ela já namorou com ele. Terminou por que a irmã dela, que no caso é a mãe do Logan, dava em cima dele. (parou encarando o aparelho em suas mãos) Daí, depois ele começou a sair com a Lily e tiveram o Logan e você já sabe o resto da história. (assenti)


Demi: E você não respondeu o que ele quer... (ri e a empurrei de leve, Selena riu também)


Sel: O Zac... acho que era esse o nome. Ele voltou com o papo de que quer voltar com a Vanessa e tentar de novo. Mas eu acho que ele levou um belo chute na bunda dessa tal de Lily. (ri da cara de Selena)


Demi: Logan sabe? 


Sel: Não. Ele nem conheceu ele direito. Só viu por fotos e videos. Essas coisas. (Senti bracinhos contornarem por volta do meu pescoço) 


Demi: Olha só quem acordou. (dei um beijinho em sua mão) 


Maddie: Eu dormi muito? (abriu a boca, se sentando entre mim e Sel) 


Demi: Não. (sorri pra ela que coçou os olhos. Em poucos segundos Maddie já estava com a cabeça no meu colo e com os pés no de Selena)


Sel: Eita, que folga. Nem dá um beijo antes. (Escutei Maddie gargalhar, mesmo com a voz rouca pelo sono, ainda continuava fofa) Sabe quem vai ficar na casa da Tia mais linda desse mundo hoje?


Maddie: Quem? (perguntou com os olhos fechados, mas já esboçando um sorriso)


Sel: Uma menininha muito da folgada. (fez cócegas nela que quase rolou os 3 degraus, mas dando tempo de eu a segurar) 


Maddie: Eu não sou folgada. (riu se sentando) Só quero jantar lasanha hoje. (fez carinha de anjo enquanto piscava os olhos 3 vezes rápido. Selena gargalhou.) 


Sel: Tá a gente pode ver o que faz. (Maddie comemorou levantando os braços) Você liga ou quer que eu ligue? (Sel perguntou)


Demi: Pode deixar que eu ligo. Não posso mais fugir disso. (ela assentiu)


Maddie: Ligar pra quem? Fugir do que Demi? (me encarou confusa) Tem alguém atrás de você? (gritou desesperada, fazendo eu e Selena rirmos fraco)


Demi: Não é nada meu amor. (mexi no seu cabelo que estava meio bagunçado) Eu só tenho que resolver umas coisas, ok? (ela assentiu, escutei Tia Mandy gritar Selena no outro lado da rua)


Sel: Vou lá. (se levantou, fiz o mesmo e Maddie ficou em pé em um dos degraus) Que horas você vai?


Demi: Eu vou ver com... (lembrei de Maddie) Eu vou ver direitinho, e te ligo pra avisar antes. 


Sel: Ok. (me abraçou, e fez o mesmo com Maddie dando um beijo em sua bochecha) Vou falar com minha mãe da lasanha, ok? (ela concordou feliz) Então tá. Até. (deu um tchauzinho rápido pra gente antes de correr até o portão e logo depois atravessar a rua, sua mãe acenou pra mim e Maddie e respondemos do mesmo jeito)



O jeito agora, era tomar coragem pra ligar pra Joseph. Acho que nunca usei tão rápido um telefone, eu não queria que começássemos a discutir em plena ligação. Então às 19, eu estava com Maddie parada na porta de Selena esperando que ela viesse abrir a porta. 


Maddie: Onde você vai? (perguntou enquanto eu estava abaixada arrumando seu moletom rosa. Incrível como o tempo tinha mudado e passado tão rápido) 


Demi: Vou resolver umas coisas ok? (Ela assentiu fazendo bico)


Maddie: Você e o... (Escutei a porta ser aberta e me levantei, encarando a figura a minha frente de toalha na cabeça)


Sel: Desculpa, tava no banho (sorriu com vergonha e Maddie a abraçou pelas pernas) Oi, ursinha. 


Maddie: Oi Tia Sel! Você fez a lasanha? (perguntou ainda agarrada as pernas de Selena, jogando a cabeça pra trás pra a encarar) 


Demi: Madison! (a repreendi, mas Selena riu)


Sel: Corre lá na cozinha e vê com a Dona Amanda. (ela assentiu e correu até metade do caminho antes de voltar, me agachei pra ficar do seu tamanho)


Maddie: Você não pode mesmo ficar pra comer lasanha com a gente? (fez bico de novo)


Demi: Não, meu amor. Tenho que resolver umas coisas que não podem passar de hoje. Mas assim que der a gente marca de novo e eu janto com vocês, tudo bem? (ela assentiu, tristonha, mas assentiu, dei um beijo na testa dela me levantando) Aqui Sel, não tem muita coisa, é só pro caso de eu chegar tarde. (Ela me encarou, dando um sorriso torto) Vê se a Tia Amanda não quer ajuda, Maddie. (ela me encarou, puxou minha mão dando um beijinho e entrou na casa de novo)


Sel: Não precisa ter pressa, ok? Resolve com calma. Escuta o que ele tem pra falar, e diz tudo o que você acha. (assenti sorrindo fraco) Se quiser pode deixar a Maddie dormindo aqui, e amanhã de manhã antes da escola eu levo ela. 


Demi: Obrigada Sel, mas acho que não vou demorar tanto assim. (ela concordou) Eu tenho que ir lá. (encarei o relógio no meu pulso) Me deseja boa sorte? (fiz careta e ela sorriu me abraçando)


Sel: Toda sorte do mundo! (rimos quando ela se afastou e a toalha soltou fazendo com que ela esticasse as mãos super rápido pra tentar segurar)


Demi: Agora vai pentear esse cabelo, Marie! (me deu língua, enquanto eu descia as escadas da varanda de sua casa)



Resolvi ir caminhando até o restaurante em que Joe disse que estaria me esperando. Encarei o papel na minha mão pra ver se era aquela rua mesmo. Só tinha ido nele uma vez, quando meu pai tinha sido promovido e resolveu comemorar já que era do tipo caro e enorme. Assim que cheguei uma recepcionista me atendeu perguntando meu nome, assim que respondi me levou até uma mesa no canto onde estava vazia. Sorri o máximo que pude e fui até ela me sentando, batuquei os dedos na madeira escura, nervosa. Não via a hora de acabar logo com aquilo e ao mesmo tempo queria que Joe demorasse mais a chegar. O lugar estava somente com algumas pessoas já sentadas. 
Respirei fundo depois de uns 10 minutos quando escutei uma voz conhecida agradecer alguém ali dentro. É, ele tinha chegado. 

~Duda aqui~ E AÍ, GENTE BONITA? Como estão? E as aulas já começaram? To aqui em plenas 3 horas da madrugada pra postar pra vocês <3
Então, temos aqui um capítulo um pouco maior que o normal pra compensar o tempo que a gente não postou <3 A partir desse capítulo as coisas vão mudar (rçrçrçrçrç) se vocês pensaram que seriam só flores depois que eles começaram a namorar, estavam enganadas.
Feliz Carnaval aí pra quem gosta, eu vou passar o meu em casa comendo e vocês? u_u
As aulas da Poliana começam agora dia 18 (acredito que a da maioria aqui também) e as minhas sóóóóó 21 de março, me invejem u_u Só pra avisar vocês.

É isso aí
Tenham um bom primeiro dia de aula u_u
xoxo, Duda