sábado, 14 de fevereiro de 2015

Chapter 57


“Mesmo que nossos caminhos não voltem a se cruzar,
a partir de hoje estaremos na mesma estrada.”

Joe

Desci as escadas que davam para o térreo da casa enquanto colocava o primeiro casaco que tinha encontrado. Fechei as portas da frente e encontrei meu pai, Nick, Kevin, Dani e Frankie sentados ao redor do que eles chamavam de “fogueira improvisada”.
— Onde vai? — Nick perguntou e eu me virei para ele com a respiração meio desregular pela corrida.
— Selena me ligou, disse que aconteceu alguma coisa com a Demi e com a Maddie. Vou lá ver o que foi. — eu disse me virando novamente, mas desta vez meu pai me chamou. Respirei pesadamente e encarei o homem à minha frente. Camisa polo clara e calça jeans. No rosto estava o par de óculos que ele não podia tirar nem por um segundo.
— Joe, não acha que está se metendo muito nessa história? Vocês dois não estão mais juntos. — ele disse calmo. Nick tinha puxado aquilo dele, mas eu não tive a mesma sorte e puxei a parte impaciente de minha mãe. 
— Eu sei. — soltei o ar pelos lábios de forma cansada. — Mas antes de qualquer coisa ela é minha amiga. — ele assentiu, demonstrando ter entendido. Apertou um dos meus ombros com a mão e me puxou para um abraço. Aquilo tinha vindo em ótima hora e conseguiu me acalmar um pouco.
— Liga para casa. Para nos dizer o que houve... — disse depois de me soltar. Assenti e acenei rápido com a mão para Nick, ainda sentado na frente da fogueira e o único que prestava atenção na cena de longe. Corri até o carro que estava estacionado na entrada da garagem e me joguei lá dentro. Girei a chave e logo estava dirigindo até a casa de Demi.
O caminho não era tão longo, coisa de 2 ou 3 quarteirões. Mas, quando se tem pressa, até o menor percurso parece ser longo.

Desci do carro correndo e bati a porta atrás de mim. A rua estava apenas iluminada pela luz do poste a poucos metros da casa em que parei. Virei o rosto para todos os lados antes de ver Selena sentada encostada à cerca. Uma das pernas esticadas, enquanto a outra estava dobrada. A cabeça apoiada no joelho que estava no alto e de longe pude ver que ela soluçava.
Selena chorando não era uma coisa fácil de ver. Corri até ela e me ajoelhei ao seu lado. Selena levantou a cabeça e me encarou. Os olhos estavam vermelhos e ela secou as bochechas.
Ela praticamente se jogou em cima de mim e colocou os braços ao meu redor. Abracei-a com força e depois a afastei, a segurando pelos ombros.
— O que aconteceu? — ela abaixou a cabeça e voltou a chorar.
— A Demi saiu correndo daqui com a Madison. Eu sinto que vai acontecer alguma coisa ruim. — ela soluçou alto. — E eu nunca vou me perdoar, Joe. Eu prometi para você que ia cuidar dela. Eu prometi. — ela voltou a chorar.
— Hey, Sel. Tá tudo bem. — coloquei a mão de leve em seu ombro. — Eu vou procurar elas, ok? — ela assentiu secando as bochechas. — Dianna está lá dentro sozinha? — Selena negou.
— Eu ia mostrar umas fotos para Demi e ela saiu daquele jeito. Minha mãe ouviu meus gritos e veio ver. — ela suspirou. — Ela tá lá dentro com a tia Di e o tio Patrick, que chegou tem pouco tempo. — Achava incrível Selena chama-la de tia com tanto carinho pelo tamanho da dor que ela tinha causado à Demi. Daria tudo para descobrir o que tinha acontecido em 4 anos para Dianna ter ficado deste jeito.
— Eu vou procurar elas. — Selena concordou com a cabeça e eu me levantei a ajudando a fazer o mesmo.  — Você ligou para Demi?
— Liguei. Mas ela não me atende. Talvez se você tentar. — assenti pegando o celular no bolso e discando pela chamada rápida. Depois de certo tempo chamando e pela 3 ª tentativa, Demi me atendeu. — Demi? — chamei-a.
— Oi. — sussurrou do outro lado da linha.
— Presta atenção: volta para casa. Eu estou aqui, Sel também. Seja o que for que Dianna tenha feito ou falado com você, ela não vai mais fazer isso. — escutei o choro fraco dela por alguns segundos. — Demi...
— Não dá, Joe. — ela suspirou — De verdade, não dá. Você não entende.
— Eu posso não entender, mas quero você bem. Desliga esse celular e volta. Pensa na Maddie. — escutei Madison falar algo no fundo da ligação, mas não tinha conseguido entender. — Demi? — escutei alguns barulhos misturados com alguns gritos. — Demi? — dessa vez gritei. Ela não respondeu. Logo o conhecido barulhinho irritante que avisava que a ligação tinha sido perdida começou a ecoar do outro lado. Desliguei o celular, o colocando no bolso. Me virei voltando para o carro.
— O que aconteceu? — Selena perguntou segurando meu braço.
— A ligação caiu. Pedi a Demi para voltar, ela disse que não. E a ligação caiu. — eu disse desesperado. — Teve uns gritos, uns barulhos. Eu vou procurar elas. — disse me desfazendo da mão de Selena.
— Por favor, Joe. Você também não. — ela voltou a chorar. Parada na calçada, de dentro do carro, olhei para Selena que me olhava como um olhar suplicante.
— Eu vou ficar bem. Tenho que achar elas. Liga para o Nick e avisa a ele e ao meu pai. — ela assentiu. O carro já estava ligado e não demorou muito para pegar.
— Joe, toma cuidado. — ela segurou minha mão que estava em cima do volante e eu assenti para ela.
— Eu sempre tomo. — ela sorriu fraco. — Ligo assim que encontrar as duas. — Selena concordou e tirou a mão de cima da minha. Pisei no acelerador, seguindo para direção contrária à qual eu vim. Tinha certeza que Demi não tinha ido para o outro lado, pois, se tivesse, teria encontrado com ela no caminho. Cidade pequena até que tem suas vantagens.

Demi

Percebi que aquilo não ia terminar bem quando eu não estava sentindo meu corpo direito. Na verdade, eu não sentia nada. Nem mesmo dor. Escutei Maddie chorando no banco de trás. Eu queria falar. Tentar a acalmar, mas foi como se não encontrasse voz. Tentei abrir os olhos pra vê-la mas eles pesaram. Depois de certo esforço, consegui abri-los. Mas tudo à minha frente parecia borrado. Me mexi, tentando me virar para ver Madison, e senti o carro balançar. Parei em instinto, tentando fazer o carro voltar para o lugar que estava, mas o mesmo acabou virando. Maddie gritou e, quando o carro parou de cair, houve barulho de água ao redor. Quando virei o rosto tentando ver do lado de fora, notei que estávamos boiando e não iria demorar para o carro afundar.
Tentei me mexer de novo, dessa vez mais desesperada que antes. Pelo menos uma de nós tinha que sair viva dali.
E eu não tinha duvidas de quem eu queria que sobrevivesse.

Joe

Segui pela estrada que era o único caminho para sair da cidade. Começava a escurecer e eu sabia que quanto mais tarde, mais difícil seria. Olhei para todos os lados tentando encontrar indícios do carro de Demi, mas tudo o que eu conseguia ver era, de um lado, uma praia que não tinha ninguém e, do outro, apenas árvores e algumas pedras altas.
Parei o carro devagar quando vi uma aglomeração do outro lado da rua. Encostei o carro no canto e desci me aproximando devagar.
— Acho que o motorista perdeu o controle. A estrada está escorregadia pela chuva da última noite. — um homem alto, que vestia umas roupas que eu julguei ser da policia de trânsito, disse para as outras pessoas paradas no local.
— “A” motorista. — a mulher ruiva a sua frente o corrigiu. — Era uma moça que dirigia. Eu vi quando ela nos ultrapassou. — ela disse de forma triste. — Tinha uma criança atrás.
— Conhecia elas? — o homem perguntou. Atravessei a rua correndo, indo em direção à praia. Algumas pessoas olharam assustadas para mim e um dos policiais acabou me segurando. Resmunguei tentando me soltar.
— Tá maluco, garoto? Você não pode ir aí! — o homem moreno que tinha mais ou menos minha altura disse. — Os bombeiros já estão a caminho. — parei de me debater. — Posso te soltar? — assenti e o policial soltou meus braços. Respirei fundo antes de voltar a correr e descer o barranco que dava em direção à praia.
— Demi! — gritei quando cheguei à praia. Daquele lado havia uma pequena faixa de areia e se eu desse poucos passos poderia estar dentro d’água. Peguei o celular pra tentar iluminar o lugar que já estava escuro.  Vi algo dentro da água e apertei os olhos. Tudo indicava que era um carro. Tirei o tênis e o coloquei no chão, o celular do lado. Entrei na água e tremi quando senti que estava gelada. — Maddie! — gritei tentando ignorar o frio que já começava a se espalhar por meu corpo. Nadei até o carro e notei que ele não tinha virado. Ele parecia boiar. Olhei pela janela e vi Demi no banco do motorista, a cabeça jogada de lado. Tentei abrir a porta da frente, mas ela parecia emperrada. Puxei a maior quantidade de ar que coube em meus pulmões e mergulhei, tentando encontrar a maçaneta do carro. Puxei, mas de nada adiantou. Voltei à superfície, dessa vez a água parecia estar mais forte e o céu já estava escuro.
Dei alguns socos na janela e vi Demi levantar a cabeça com dificuldade para me olhar. Ela sorriu fraco e esticou o braço tentando abrir a janela.
— JJ! — escutei Maddie me gritar da parte de trás. Ela chorava assustada. — Eu sabia que você ia vir salvar a gente. — ela disse enquanto eu me jogava pra dentro do carro entrando pela janela.
— Eu sempre venho. — ela sorriu enquanto eu abria o cinto de segurança da cadeirinha e a puxava.
— Demi? — a chamei e ela me olhou, os olhos marejados.
— Tira ela daqui, Joe. — disse com dificuldade.
— Vou tirar as duas. — eu disse, enquanto trazia Maddie para perto do meu peito e tentava abrir o cinto de Demi com a outra mão.
— Tira a Madison! — ela implorou, o choro tomando conta dela. O carro fez um barulho alto e inclinou para um dos lados, fazendo que a água entrasse pela janela aberta. — Anda, Joe. — tentei encontrar a ponta do cinto que estava presa. Ela empurrou minha mão. — Por favor, sai daqui.
— Demi, eu não... — ela assentiu em silêncio. — Eu vou tirar você daqui, eu prometo. — me estiquei beijando o topo de sua testa. Ela sorriu fraco e passou a mão de leve no cabelo de Maddie que se encolheu me agarrando e voltando a chorar. Ajoelhei-me no banco de passageiro, enquanto empurrava com força a maçaneta da porta conseguindo a abrir.
— Joe. — escutei Demi me chamar baixo. — Obrigada. — assenti uma vez, enquanto prendia Madison com força pelo outro braço e a levantava para que a cabeça dela ficasse acima do nível da água. Nadei com dificuldade até a faixa de areia e cai de joelhos, um dos homens com uniforme de bombeiro jogou uma toalha na pequena em meu colo e, a pegando, correu com ela para algum lugar que eu não vi.
Levantei-me  decidido a voltar para água para pegar Demi, mas alguém jogou uma toalha nas minhas costas e segurou meu braço. Encarei Selena que envolvia o pano em mim.
— Eu tenho que voltar para pegar a Demi. — disse tossindo um pouco e acabei cuspindo água que eu nem sabia que tinha engolido.
— Joe, você tá bem? — ela me segurou com força e eu assenti.
— Eu vou... — ela apertou a mão no meu braço.
— Não. Você não vai. — Selena disse séria, os olhos vermelhos. — Os bombeiros já foram pegar ela. Você foi louco de se jogar nisso aí e tentar pegar as duas. Você viu como tá o mar? E você não tinha proteção nenhuma. — ela começou a chorar. — Eu pensei que ia perder vocês três hoje,  Joe. — a puxei para um abraço. Selena tinha o corpo frágil e magro e ela pareceu cada vez menor enquanto meus braços a envolviam. Enquanto a abraçava, notei os bombeiros entrando na água.
Eu ficaria mais calmo.
Se pudesse ver o carro.

Demi

Logo que Joe saiu com Maddie, eu voltei a tentar tirar o cinto. Senti lágrimas brotarem dos meus olhos quando notei que a água estava invadindo o carro. Empurrei o cinto com força e, depois de umas 3 vezes, a parte que o prendia ao carro acabou quebrando. Arrastei-me até o banco de passageiro, sentindo a água gelada do mar bater em minha pele e arder onde havia um corte em minha calça jeans, tomado de sangue.
Respirei fundo e sai do carro, a água estava forte e senti-me sendo levada por ela. Tentei me segurar na porta e notei que o carro já estava cheio d’água e iria começar a afundar a qualquer momento. Tentei me afastar e vi que parte da minha blusa tinha ficado presa. Puxei o tecido com força, mas de nada adiantou.
Comecei a ficar mais desesperada do que estava quando vi que o mar começou a ficar agitado. Um vento forte começou a soprar e eu não estava conseguindo enxergar direito.
Uma onda me assustou. Era incrivelmente maior que as outras.
Minha primeira reação foi puxar todo o ar que eu consegui e mergulhar, tentando puxar minha blusa com mais força. Quando senti a onda chegar até onde eu estava. A água gelada bateu no meu rosto de surpresa, o que fez com que água entrasse por meu nariz e boca.
Tossi sentindo meu nariz arder junto com a minha garganta e tentei  a mesma ação de antes, puxando um pouco de ar com dificuldade já que tinha engolido bastante água.
Quando voltei a superfície e olhei para o lado, foi o tempo de apenas fechar os olhos e prender a respiração. Uma outra onda se aproximou, mas eu não estava nem um pouco preparada para aquela. Ela me empurrou com força, o que fez com que minha cabeça batesse com força na porta.
E bom.
Depois disso.

Mais nada.

Olá!!! Duda aqui, tudo bem, pessoal?
Desculpem a demora pra postar, a gente não teve muito tempo ultimamente. Mas tá aí, esperamos que gostem :) (capitulo meio trágico mas faz parte)
A Polly respondeu os comentários do último post, é só entrar aqui pra ler.
Então, aproveitem o Carnaval e se cuidem!!! Até a próxima <3

Beijos,
Duda.

8 comentários:

  1. Ah, meu Deus, alguém salva ela!! Demi não pode morrer, ela tem que viver, contar tudo pro Joe e dai eles vão ser felizes para sempre junto com a Maddie!
    Porque a Demi fez isso? Porque ela não ouviu a Selena?
    Ahhhh, que agonia!
    Posta Logo!
    Bjs

    PS: foi mal não ter comentado no outro capítulo, eu deixei pra fazer isso depois e acabei apagando da minha mente.

    ResponderExcluir
  2. Ai meu Jesus amado Poly e Duda se vocês matarem a Demi quem vai matar as duas sou eu! Asgigssk
    como você tem a capacidade de parar ai?
    Por que a doida da Demi não ouviu a Selena?bem feito tem que sofrer msm u.u kkkk
    bjs meninas, bom carnaval pra vocês :*

    ResponderExcluir
  3. Olha se vocês matarem a Demi os jogos vão começar hein!
    Cabeças irão rolar e vai ter banho de sangue muhahaha
    Eu to amando essa fic
    e só acho que vocês poderiam postar um pouquinho mais rapido pra não me matar de curiosidade
    Enfim Posta logooo
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  4. Pelo amor de deus postem mais rápido que agoniante postem logo ta perfeito

    ResponderExcluir
  5. aaaaaaaaaaaah cade capitulo novo????

    ResponderExcluir
  6. Pelo amor de deus postem logo pf

    ResponderExcluir